7 Passos para reciclar nutrientes e produzir adubo orgânico.

Você sabia que é possível transformar parte do “lixo” que você produz em comida?

neonbrand-441844-unsplashA emissão de resíduos sólidos é um dos maiores problemas ambientais do planeta. São poucos os países que sabem dar uma destinação correta para o “lixo” que sua população produz e infelizmente o Brasil não é um deles.

Levando em consideração que as ações públicas são ineficazes, o Quintal Urbano propõe que cada um faça sua parte, transformando “lixo” em comida!

Mas peraí!

Que coisa mais nojenta, vocês querem que eu coma “lixo”?

Écaaaaa!!!

Hehehehe… calma aí gente, não é bem isso que estamos falando!

Queremos que sua comida, ou melhor, que as plantas da sua horta, que serão sua comida, comam “lixo”. E também não é qualquer tipo de “lixo” (por isso as aspas).

Acreditamos que a vida é constituída por relações e teias complexas nas quais as substâncias essenciais para ela transitam em ciclos, passando das plantas para os animais e destes para o esterco, para as bactérias do solo e de volta às plantas, que serão nosso alimento.

Boa parte dos resíduos que produzimos podem ser transformados em adubo (nutrientes) para hortas e jardins e de quebra, diminuir muito a quantidade de dejetos que emitimos para a responsabilidade do governo.

Para isso você precisará basicamente de três coisas, a primeira é melhorar as relações entre você e sua lixeira, transformando ela num deposito de vida, selecionando resíduo reciclável, resíduo não reciclável e resíduo compostável (o qual nos interessa hoje).

A segunda é ter uma composteira, abaixo faremos um passo a passo para o desenvolvimento de dois tipos diferentes.

E a terceira é produzir alguns dos alimentos que consome em uma horta, seja na sua casa, apartamento, condomínio, escola ou restaurante, se quiser, nos do Quintal Urbano ajudaremos você!

Passo a passo para duas formas super legais de desenvolver uma composteira:

Composteira no solo (ambientes externos):

  1. Cave um buraco com profundidade de aproximadamente 50cm. Seu buraco pode ser redondo, quadrado, retangular, tanto faz. O importante é que permita o deposito ideal para a quantidade de resíduos que você produz ao longo de pelo menos três meses.
  2. É importante que este buraco fique à sombra ou pelo menos pegue o mínimo possível de sol. O calor excessivo espanta pequenos organismos fundamentais para o processo da compostagem.
  3. Neste buraco você ira depositar todos os resíduos orgânicos compostáveis que produz. Ali vai: cascas e restos de vegetais crus, erva mate, borra de café (inclusive o coador de papel), sachês de chá, casca de ovos, resíduos de jardinagem (grama, folhas, galhos). É muito importante não depositar alimentos, temperados com sal, industrializados e restos de animais (exceto ovos).
  4. Para evitar mau cheiro, atração de animais como ratos e baratas, manter bons níveis de umidade e obter um adubo de boa qualidade com quantidades ideais de elementos como carbono e nitrogênio sugerimos que alterne uma camada de aproximadamente 5cm de resíduos com uma camada de aproximadamente 1cm de serragem de madeira não tratada ou palha de grama. Depois novamente 5cm de resíduos e uma camada de aproximadamente 1cm de terra preta. Você repetirá este processo até preencher todo o volume da sua composteira, é importante que a última camada seja de serragem, palha de grama ou terra, para que seu composto possa repousar durante o período de decomposição de forma higiênica.
  5. Você também pode adicionar algumas minhocas, assim além de acelerar o processo, ira obter húmus (nutriente obtido a partir da digestão das minhocas).
  6. O tempo de decomposição para a formação do adubo é relativo a fatores ambientais como umidade, temperatura e composição do solo. Porém ele estará pronto para o uso, quando estiver formando uma massa homogênea e fina. É provável que os estratos mais profundos estejam pronto primeiro.
  7. Assim que você perceber as características descritas acima, seu composto orgânico pode ser peneirado, para retirar partículas não decompostas, e utilizado na composição do substrato de plantio da sua horta.

Composteira reaproveitando bamboas de água de 20l (ambientes internos):

  1. Separe duas bambonas de água de 20l (aquelas azuis de plástico que adaptamos a bebedouros).
  2. Retire a parte curva que forma o arco superior de ambas com uma serra, transformando-as em um grande copo.
  3. Em uma delas faça pequenos furos de aproximadamente 5mm (pode ser uns 10) na superfície inferior para que o chorume (liquido residual da compostagem) possa ser drenado.
  4. Encaixe a bambona furada, com os furos para baixo, na parte aberta da bambona sem os furos. O liquido será drenado da bambona superior para a bambona inferior onde será armazenado. Toda vez que você desejar retirar o chorume basta desencaixar as duas partes.
  5. É importante salientar que este líquido é rico em nutrientes e pode ser misturado ao seu substrato de plantio, assim como o composto sólido que será produzido na composteira.
  6. Sobre os tipos de resíduos a serem depositados, as respectivas camadas e o tempo de decomposição são idênticos ao processo anterior descrito acima para composteira no solo.
  7. Além de bambonas você também pode adaptar caixas ou tonéis plásticos fica a critério do seu gosto e criatividade.

O mais importante é contribuirmos para um ambiente e uma sociedade mais saudável, reduzindo a quantidade de resíduos emitidos, além de adquirirmos hábitos mais saudáveis, como por exemplo, o de cultivar uma pequena horta dentro de casa e produzir parte do seu próprio alimento.

Que você tenha um nutritivo composto orgânico e bons cultivos!

Deixe uma resposta