Uma reflexão sobre consumo e biodiversidade.

A forma como nossa sociedade consome afeta diretamente a biodiversidade, o meio ambiente e logo, as nossas vidas. No texto dessa semana iremos propor pequenas reflexões que podem fazer toda a diferença na hora em que compramos as coisas.

Pequenas reflexões, mas gigantescas atitudes que quando tomadas pela grande massa podem inclusive mudar o destino da humanidade frente a preservação da vida. rob-mulally-123849Sabemos que a relação da nossa espécie com o meio onde habita e os demais seres vivos é muito antiga. Também é antiga a utilização dos recursos naturais que este meio nos prove. Extraímos matéria prima para desenvolver os mais variados produtos a partir dele, seja diretamente da biodiversidade ou dos recursos minerais que constituem o próprio planeta.

Esse tipo de comportamento coloca nossa espécie como uma das principais causas da sexta grande extinção em massa dos últimos 600 milhões de anos. Pois, a perda de biodiversidade decorrente das atividades humanas configura-se, hoje, no que provavelmente seja o mais severo de todos os eventos dessa magnitude.

Mais intenso até do que aquele famoso, que extinguiu os dinossauros com a queda do tal meteoro!

O conhecimento sobre a biota ampliou-se consideravelmente na medida em que o ser humano desenvolveu tecnologias e se tornou capaz de atingir os ambientes mais remotos do planeta, que vão do topo de montanhas à regiões abissais nos oceanos. O paradoxal é que ao passo em que uma fração da biodiversidade vai sendo desvendada, como nesses ambientes antes desconhecidos, uma quantidade inestimável vai sendo perdida, antes mesmo de se tornar conhecida.

O comportamento humano em relação aos demais seres vivos o coloca no topo de uma pirâmide hierárquica de poder. Deixando assim de se colocar e reconhecer como parte de um todo amplo e complexo.

A agroecologia nos ensina que a vida é um conjunto de teias complexas nas quais as substâncias essenciais para qualquer ser vivo transitam em ciclos, como por exemplo, passando das plantas para os animais e destes para o esterco, para as bactérias do solo e de volta às plantas, que serão novamente alimento dos animais. Denominamos a transferência destes recursos de fluxo de energia.

Assim, quando um determinado grupo exaure determinados recursos, quando o fluxo de energia natural é prejudicado, prejudicando os demais grupos, ou até mesmo o seu próprio grupo, entende-se que o ambiente está em desequilíbrio, podendo prejudicar a vida naquele ecossistema.

As atitudes humanas  são dotadas de um peso regrado pela sua própria autonomia, repensa-las se torna fundamental para nosso desenvolvimento neste planeta.

É justamente neste repensar, que questões importantes surgem. Sobretudo as que indagam a forma como consumimos as coisas, dos alimentos às roupas, aos aparelhos eletrônicos, aos objetos decorativos de nossa casa. Seja lá o que for tudo possui uma matéria prima que em algum momento foi parte de algum ecossistema. Além disso, absolutamente tudo, na visão cíclica da vida, mais cedo ou mais tarde retornará a algum ecossistema.

O Quintal Urbano provoca você a fazer uma reflexão sempre que for comprar alguma coisa, perguntando-se:

  • Você realmente precisa disso?
  • Você pode pagar por isso?
  • Você sabe a origem desse produto e para onde ele vai depois?
  • Você acha que essa compra pode prejudicar outras pessoas?
  • Você acha que essa compra pode prejudicar o planeta?

Obtendo essas respostas você poderá concluir se vale à pena ou não adquirir o produto que tem interesse. Aí, é só tomar a decisão que lhe deixará em maior conforto com a sua própria consciência.

Espero que seja aquela que mantenha o mundo repleto de Figueiras, Borboletas, Ipês, Sabiás, Jacarandás, Minhocas, Margaridas e Grilos! Repleto de vida!

Consuma com amor e bons cultivos!

Deixe uma resposta